quarta-feira, dezembro 09, 2015

UMA VOZ CRIOULA NO ATLÂNTICO

O panorama radiofónico da colónia de Cabo Verde iria conhecer uma nova dinâmica com a inauguração oficial, pelo Governador Manuel Abrantes Amaral, da Rádio Barlavento, no dia 30 de Junho de 1955. A emissora, no entanto, já vinha transmitindo em regime experimental, tendo emitido pela primeira vez o seu sinal no dia 13 de Maio do mesmo ano. Trata-se da realização de um sonho acalentado pelos sócios do Grémio Recreativo do Mindelo, cujo desejo principal era o de serem úteis aos seus concidadãos, colocando para isso o radiodifusor ao serviço de “Portugal de Cabo Verde”.

Os promotores da iniciativa, liderados por Aníbal Lopes da Silva, acreditavam que a ilha de S. Vicente, com o seu Porto Grande, escala obrigatória entre a Europa, América do Sul e África, atravessando uma dinâmica comercial a todos os títulos invejável, sendo o centro mais importante do Arquipélago, oferecia todas as condições para uma estação de radiodifusão que tivesse a missão de fazer a propaganda de Cabo Verde e do seu Porto Grande e, ao mesmo tempo distrair, instruindo a população das ilhas.

Com base na promessa feita pelo Governador, Tenente Coronel Alves Roçadas, em apoiar a iniciativa que representava mais um passo no desenvolvimento de Cabo Verde, os cento e quarenta sócios do Grémio disponibilizaram 130 contos de uma subscrição aberta entre eles, e prometeram colaborar gratuitamente na organização, montagem e funcionamento da emissora. Assim, através de um empréstimo de 200 contos, valor que seria descontado num subsídio que, por ordem do Governador, a S.A.G.A concedeu, encomendou-se à PHILIPS portuguesa - que prometeu facilidades de pagamento – um emissor de 1KW e a aparelhagem necessária para o funcionamento da estação.  

Conforme escreve o Dr. Aníbal Lopes da Silva, na edição especial dedicada a Cabo Verde (nº 80) da Revista Portuguesa “ de todas as ilhas e de indivíduos de todas as categorias sociais, da Guiné, de Dakar, da Metrópole e do Brasil, vinham palavras de incitamento e de apoio material. As câmaras municipais atenderam os pedidos que lhes foram dirigidos, inscrevendo subsídios aos seus orçamentos. A Câmara de S. Vicente, além de um generoso subsídio anual, forneceu gratuitamente energia eléctrica indispensável, e assim, embora fosse impossível diminuir excessivamente a dívida, a Rádio Barlavento conseguiu manter-se à espera de melhores dias que, finalmente, chegaram com a concessão por parte do Governo de um subsídio anual de 75 contos, que sua Excelência o ministro do Ultramar, Dr. Raul Ventura, por informação de sua Excelência, o Governador, mandou inscrever no orçamento da província” (Maio, 1957).

Registada sob a sigla CF4AC, a estação emitia em ondas curtas, inicialmente na banda dos 50,2, passando depois, para os 75 metros, das 18:30 às 19:30, tendo aumentado gradualmente o período de emissão até atingir as seis horas diárias.

O Notícias de Cabo Verde dá conta, na sua edição do dia 21 de Agosto de 1954, que a direcção do Grémio Recreativo Mindelo, na altura presidida pelo médico José Duarte Fonseca, reuniu na sua sede várias personalidades para apresentar a aparelhagem que acabara de receber para os seus serviços de radiodifusão. De acordo com Rolando Martins (2005), trata-se do mais potente emissor de Cabo Verde e que, de facto, cobria todo o país. Mais tarde a Rádio Barlavento passa também a emitir, simultaneamente, em frequência modulada.

O jornalista Fonseca Soares (2007) conta que apesar da estrutura amadora, a Rádio Barlavento era, em 1971, ano em que foi admitido como ajudante de estúdio, bastante bem organizada a ponto de ter concebido testes específicos para triagem de candidatos a estágios de radialistas, nomeadamente para discotecário, ajudante de estúdio (operador de som) e locutor (apresentador).

Para a escolha de um locutor, “além de habilitações literárias, era necessário passar por um teste de leitura e gravação de ‘papéis utilizados’ nos jornais da estação, com um colectivo de júri (reconhecidos homens da literatura) a aquilatar do mínimo de condições para se ser aceite em estágio. Notava-se desde logo, que havia um perfil bem definido para radialista crioulo que começava pelo timbre da voz, acabando na dicção e um certo nível de cultura geral. Preocupações que, na sua opinião, atestam o profissionalismo, a organização, a seriedade da estação emissora, considerada, no entanto, amadora, com gente a trabalhar em regime de ‘part-time’.

Se na Rádio Clube do Mindelo o aspecto de produção que mais se destacava era a animação de antena, onde a música se cruzava com a leitura de algumas notícias, na Rádio Barlavento, cujos responsáveis alimentavam o sonho de a transformar numa estação emissora de dimensão verdadeiramente nacional, a preocupação com a informação era visível.

Os colaboradores da rádio, alguns dos quais estudantes do liceu, que tinham passado pela RCM, puderam contar com a experiência do professor Rolando Martins para os orientar no ofício de jornalismo. É o caso de António Pedro Rocha (2009) que deu na RB os seus primeiros passos como jornalista profissional. “Escutávamos várias estações emissoras internacionais, porque na altura nem sequer agências internacionais tínhamos em Cabo Verde, a BBC, a Voz da América, a RFI, em várias línguas e nós, eu o Neney, mais o velho Chico escuta, gravávamos todas essas emissões, que eram diárias e íamos fazendo a tradução, muitas vezes num mau português e eu o Rolando Martins dávamos corpo à notícia e fazíamos o jornal a partir daí…”

Apesar do controlo bastante apertado que o Estado Novo mantinha sobre as emissoras das províncias ultramarinas, sobretudo depois da instalação da PIDE-DGS em Cabo Verde, na década de 60, a informação passou a ser uma componente não desprezível da programação da Rádio Barlavento. O noticiário, explica Rolando Martins, era constituído por várias secções: o local, o da província, o da metrópole, o do ultramar e o noticiário do estrangeiro. “O noticiário da província era enviado pelo Centro de Informação e Turismo, na Praia, em forma de telegrama. Já vinha composto. Os outros noticiários eram transmitidos por morse pela Press Lusitânia, uma agência de notícias ligada ao Governo português, ao Estado Novo, e as notícias eram transmitidas já feitas. Portanto, não se podia mexer nelas.

Os colaboradores da RB limitavam-se a transformar a linguagem telegráfica em linguagem corrente, colocando as pontuações, os quês, os dês, quando havia falha, tentando descortinar, sempre com imenso cuidado, qual a palavra que faltava, para não deturpar a mensagem. Ou seja, “as coisas vinham de tal maneira controladas que não havia meio de se pensar em fazer qualquer coisa que fosse contra a ordem do Estado Novo” (RM, 2005).

A secção “local” era a que permitia alguma margem de liberdade aos fazedores de informação, mas, ainda assim, bastante escassa e sem motivos de interesse, uma vez que as peças recaíam sobre fait divers, nomeadamente as iniciativas sociais, ou as actividades triviais do Governador e da sua comitiva. Os acontecimentos eram na maior parte das vezes reportados pelos próprios sócios do Grémio, sobretudo os mais jovens que, ao terem conhecimento de um evento, redigiam a notícia e levavam-na para a rádio. Um dos mais assíduos colaboradores do “noticiário local” era Jorge Pedro Barbosa, filho do poeta Jorge Barbosa. Quanto aos demais programas, lembra Martins, eram todos enviados para a censura no dia seguinte.

No primeiro ano de funcionamento, a estação emissora CF4AC apresentava uma programação assente na variedade dos conteúdos. Com apenas uma hora e meia de emissão, o alinhamento era o seguinte: abertura com a Orquestra de Luís Rovira, valsas, noticiário, trechos de óperas, encerramento. Durante a semana, a estrutura mantinha-se igual, apenas mudando a designação dos programas.

Como lembra Nogueira (65: 2007), As primeiras gravações musicais realizadas no arquipélago e que vieram a ser editadas em disco foram aí realizadas. Mité Costa, a cantar mornas de Jotamonte acompanhada por um grupo dirigido por ele próprio, foi a primeira da serie de 45 rpm intitulada “Mornas de Cabo Verde”, editada pela Casa do Leão. Seguiu-se, entre outros, Amândio Cabral, com o disco em que grava, não em seu nome, a hoje célebre sodade, cuja autoria veio a registar anos depois.

Foi também a partir dos estúdios da Rádio Barlavento que Sergio Frusoni e Nhô Djunga divertiram os mindelenses com o humor acutilante das suas crónicas que, à hora certa, atraíam muita gente para ouvi-las pelos altifalantes colocados no exterior do prédio
Foi igualmente na Rádio Barlavento, quando completava um ano de existência, em Junho de 1956, que Baltazar Lopes da Silva leu, em duas sessões, a sua palestra indignada sobre o que sociólogo Gilberto Freire escrevera sobre Cabo Verde. E também um texto emocionado sobre a importância da obra de B. Leza, no dia da morte deste compositor, em 1958.

A Rádio Barlavento viria a ser tomada, a 9 de Dezembro de 1974, supostamente pelo “povo” de S. Vicente, instrumentalizado pelos dirigentes do PAIGC, como parte de uma estratégia de consciencialização para a causa da independência. Esta iniciativa viria a marcar, para o bem e para o mal, os caminhos a radiodifusão no país, que acabara de tomar o seu destino nas suas próprias mãos. A Rádio Nacional de Cabo Verde, que nasce em 1985, mercê da junção em cadeia da Rádio Clube de Cabo Verde, que passou a deter o estatuto de emissora oficial; da Rádio Voz de S. Vicente, substituta da Rádio Barlavento, e da Retransmissora do Sal, representa o corolário de todas as evoluções históricas que marcaram o panorama radiofónico cabo-verdiano.

Carlos Santos

P.S. Excerto de um artigo científico que integra o primeiro livro sobre as ciências da Comunicação em Cabo Verde, edição MEDIACOM, 2013



1 comentário:

  1. telasmosquiteira-sp.com.br

    telas mosquiteira
    telas mosquiteiro

    As telas mosquiteira sp , telas mosquiteiro sp garantem ar puro por toda casa livrando-a completamente dos mosquitos e insetos indesejáveis. As telas mosquiteira garantem um sono tranquilo a toda família, livrando e protegendo-nas dos mais diversos insetos. Muitos destes insetos são transmissores de doenças e a tela mosquiteira é indispensável no combate a mosquitos transmissores de doenças.

    A dengue, por exemplo, já matou centenas de pessoas só na capital de São Paulo e um pequeno investimento em nossas telas mosquiteiras podem salvar vidas. As telas mosquiteiras também impedem a entrada de insetos peçonhentos como as aranhas e os escorpiões, estes insetos também oferecem risco, pois seu veneno em poucos minutos podem levar uma criança a morte.
    telas mosquiteira jundiai
    telas mosquiteiro jundiai
    telas mosquiteira São Paulo
    telas mosquiteiro São Paulo
    telas mosquiteira granja viana
    telas mosquiteiro granja vinana
    telas mosquiteira cotia
    telas mosquiteiro cotia
    telas mosquiteira sao paulo
    telas mosquiteiro sao paulo

    A chegada da temporada Primavera/Verão traz consigo a elevação da temperatura e a maior ocorrência de chuvas. Mas não é só isso. As estações mais quentes do ano causam muita dor de cabeça e muitos zumbidos indesejáveis em função das pragas urbanas – pernilongos, baratas, cupins e outros insetos -, que afetam todas as regiões brasileiras.

    Nossa missão é oferecer telas mosquiteiras de qualidade a um preço acessível, fazendo com que as telas mosquiteiras sejam uma opção viável para muitas pessoas.

    telas mosquiteiras Jundiaí
    telas mosquiteiro Jundiai
    telas mosquiteiras jundiai
    telas mosquiteiro industria
    telas mosquiteira restaurante
    telas mosquiteiro restaurante
    telas mosquiteira empresa
    telas mosquiteiro empresa

    ResponderEliminar